Seja Bem Vindo! Segunda-Feira, 09 de Dezembro de 2019
Notícia » Curiosidades » Notícias
19/11/2019 às 12h14min - Atualizada em 19/11/2019 às 12h14min
Propriedade Indígena, texto contido na página 43 do grandioso livro História da Fundação dos Bairros do Bixiga e do Bexiga
Conceitos antigos e mais do que nunca atuais relatados pelo autor Egydio Coelho da Silva

Recentemente lançado, esta obra da RG Editores, mostra devidamente ao leitor que muitas cidades e bairros, como neste caso os bairros do Bexiga, Liberdade e as artérias Avenida Brigadeiro Luiz Antonio, Avenida Liberdade, Praça da Bandeira, Rua Santo Amaro, Ruas Saracura grande e pequena encantam o leitor. Nossas congratulações ao jornalista Egydio Coelho pela preciosa obra que marcará para sempre o brasão de São Paulo “Non Dvcor Dvco”, Obelisco e Ladeira da Memória, Rua da Palha, Largo do Pix, Rua José Bonifácio, Rua do Paredão, atual Xavier de Toledo, Largo do Curo, atual Praça da República, inesquecível, valioso e surpreendentemente atual. Parabéns!

 

Conceito de propriedade indígena:

Em 1855, respondendo à proposta de compra de terra do presidente dos Estados Unidos, Francis Pierce, o cacique Seattle, da tribo Suquamish, do Estado de Washington, pergunta: “Como se pode comprar ou vender o céu, o calor da terra?”

E explica seu conceito sobre a propriedade da terra:

“Tal ideia é estranha. Toda esta terra é sagrada para o meu povo.

Sabemos que o homem branco não compreende o nosso modo de viver.

Deixa para trás o túmulo de seu pai sem remorsos. Rouba a terra de seus filhos, nada respeita. Esquece os antepassados e os direitos dos filhos. Sua ganância empobrece a terra e deixa atrás de si os desertos. Suas cidades são um tormento para os olhos do homem vermelho, mas talvez seja assim por ser o homem vermelho selvagem, que nada compreende.

O homem branco talvez venha um dia descobrir: o nosso Deus é o mesmo Deus. Julga, talvez, que pode ser dono Dele da mesma maneira como deseja possuir a nossa terra. Esta terra é querida por Ele.

Se te vendermos a nossa terra, ama-a como nós a amávamos. Protege-a como nós a protegíamos”.

 



Fonte: Sérgio de Castro
    490 Exibições
    Comentários

    nenhum comentário cadastrado!

    Deixe seu comentário:
    Nome:
    Email:
    Cidade/Estado:
    Sua Mensagem: